Nos siga nas redes sociais

Cotidiano

O que assistir depois de O Dilema das Redes

Publicado

em

O Dilema das Redes Divulgação

Com estreia na Netflix brasileira em setembro, o documentário O Dilema das Redes (2020) foi muito comentado na internet durante todo o mês. Partindo da premissa de que o usuário é o grande produto das redes sociais, a produção entrevista engenheiros, executivos e idealizadores de Google, Facebook, Instagram, Pinterest, Twitter, entre outros, que contam uma verdade nada conveniente sobre as empresas que transformaram o comportamento da humanidade no século XXI.

O documentário esquentou a discussão sobre como tecnologias que envolvem Inteligência Artificial e Machine Learning podem ser utilizadas, destacando principalmente seu lado negativo na vida do usuário, como a falta de privacidade ou como somos influenciados por essas ferramentas.

Apesar de todo o barulho em volta de O Dilema das Redes, a meu ver a obra foca diretamente em como as informações que consumimos em nossas redes sociais nos afetam. Buscando ampliar a discussão para outros tópicos relacionados ao tema, elaboramos uma lista de produções que complementam a discussão sobre tecnologia que você precisa conhecer.

Século do Ego, documentário publicado em 2002 pela emissora britânica BBC 2, retrata como Edward Bernays, conhecido como “pai das relações públicas”, usou os estudos de seu tio, Sigmund Freud, para direcionar pessoas. Por exemplo, como elas reagem de forma positiva às mensagens de seus contratantes. A produção de quatro horas de duração pode ser encontrada no Youtube.

Outra obra que não pode faltar para o senso crítico sobre o tema é o livro Como Mentir com Estatística, publicado por Darrell Huff, em 1954. São dez capítulos que refletem sobre a forma de pensar e como fomos induzidos a acreditar nas peças publicitárias.

A própria Netflix já lançou outras produções relevantes que discutem os efeitos da tecnologia, como A Era dos Dados (2020) e o documentário Privacidade Hackeada (2019), que aborda os problemas de privacidade de dados. Este último cita, por exemplo, o processo de cinco bilhões de dólares que o Facebook está enfrentando, causado pelas atividades da Cambridge Analytica.

Por outro lado, apesar das polêmicas, o uso dos dados também trouxe progresso e desenvolvimento para a humanidade em diversas áreas. Em Dataland (Amazon Prime, 2019), por exemplo, gostei de conhecer a forma com que Helsinque, capital da Finlândia, está trabalhando para mapear o genoma de 10% da população para que isso ajude a área da saúde.

O filme O Homem que Mudou o Jogo – também do catálogo da Netflix – mostra o poder do Big Data no esporte. Nele, um time de baseball que não tinha orçamento para trazer os melhores jogadores da liga, consegue montar o melhor time possível através da análise de dados.

Para as duas últimas dicas, indico o documentário The Code (Netflix, 2011), que mostra como a matemática está presente no nosso dia a dia, e O Código Bill Gates (Netflix, 2019), que apresenta um pouco do trabalho do fundador da Microsoft junto ao instituto Bill & Melinda Gates. Apesar de muitas pessoas não gostarem de sua figura, Gates investe muito para que o mundo seja um lugar melhor para todos.

Com essa lista em mãos, aproveite a discussão relevante e necessária levantada por O Dilema das Redes para refletir também sobre outras questões que o século XXI trouxe para os nossos dias. A Era Digital chegou e estamos inseridos em sua lógica, queiramos nós ou não.

Sobre Diego Nogare
Diego Nogare é CDO – Chief Data Officer – na Lambda3. Também é professor em programas de pós-graduação no Mackenzie e na FIAP, em São Paulo. Foi nomeado como Microsoft MVP por 11 anos seguidos, e hoje faz parte do programa Microsoft Regional Director.

Continue Reading
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *