Vereador Samuel Salazar promove Audiência Pública sobre endometriose

Crédito da foto: Anderson Barros/CMR

Calcula-se que em todo o mundo 176 milhões de mulheres sofram com a doença. No Brasil, são 6,5 milhões
Um dos sintomas característico da endometriose é a infertilidade feminina. Muitas mulheres, apesar de não apresentarem dores e cólicas, têm dificuldade para engravidar por conta do crescimento anormal do endométrio. Sensibilizado com a causa, o vereador Samuel Salazar (PRTB), realizará na quinta-feira (9) de maio, no mês das mães, às 9h, no Plenarinho da Câmara Municipal do Recife, Audiência Pública para debater sobre o reconhecimento da Endometriose como problema social de saúde pública. Segundo dados revelados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), há 176 milhões de mulheres em todo o mundo e 6,5 milhões no Brasil afetadas por ela. De acordo com a Associação Brasileira de Endometriose, entre 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva (13 a 45 anos) podem desenvolvê-la e 30% tem chances de ficarem estéreis. Na quarta-feira (8) é celebrado o Dia Nacional da Luta Contra a Endometriose.
A Audiência discutirá Políticas Públicas que incluam tratamento para a endometriose. “O debate promove a oportunidade para conhecer mais a fundo essa doença da mulher, que chega a afetar a fertilidade e o sexo. Sentimos a necessidade de promover a audiência pois fomos sensibilizados com a causa após conversas com mulheres que convivem com o problema. Apesar de não sermos protagonista da luta e do movimento, sensibilizamos-nos e ficamos parceiros”, explica o vereador Samuel Salazar. Ainda de acordo com ele “não podemos promover o silenciamento da voz de minorias sociais por grupos privilegiados em espaços de debate público. Quando os olhos não veem o que as mulheres sentem, precisamos discutir o tema para fortalecer mais ainda a causa”, reitera Samuel Salazar. O objetivo é que o Brasil tenha leis de conscientização da doença e também leis que garantam os direitos das portadoras e o tratamento gratuito, digno e humano pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
A doença e a infertilidade estão associadas em 50% dos casos, ou seja, 50% das mulheres com endometriose têm infertilidade e 50% do casos de infertilidade feminina podem ter a endometriose como uma das principais causas. A condição é caracterizada por presença de endométrio fora da cavidade uterina, que pode ser desde lesões focais e aderências até nódulos, causados por menstruação retrógrada, que não desce totalmente, mas volta para as trompas. Para o encontro, foram convocados: secretária da Mulher do Estado, Silvia Cordeiro; secretário de Saúde do Recife, Jailson Correia; diretora do Hospital da Mulher do Recife, Isabela Coutinho; médica ginecologista, Glaucia Fonseca de Almeida; empresária e autora do Blog Maternidade Sonhada, Taciana Lira; e Caroline Salazar, goiana, jornalista, autora do blog A Endometriose e Eu. Ela é a principal ativista do país na causa e é capitã brasileira da Million Women March for Endometriosis Brazil, a Marcha Mundial pela Conscientização da Endometriose, a EndoMarcha.
O vereador Samuel Salazar é autor do Projeto de Lei 30/2019, que versa sobre a “Conscientização da Endometriose” e pede o Dia Municipal de Informação e Conscientização sobre a doença, a ser comemorado no dia 30 de março de cada ano. Dentro os pleitos também requeridos no projeto, estão a promoção do reconhecimento da Endometriose como problema social de saúde pública e a inclusão do Recife no movimento chamado “Endomarcha Mundial da Endometriose”. Neste ano, ocorreu a 6ª edição da Marcha Mundial pela Conscientização da Endometriose e o Brasil é o país com mais de 20 cidades inscritas. Fizeram parte da EndoMarcha 2019: São Paulo, Sorocaba, Leme, Santos, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Uberlândia, Goiânia, Brasília, Campo Grande, Curitiba, Londrina, Maringá, Salvador, Feira de Santana, Fortaleza, São Luís, Florianópolis, Boa Vista e Belém.
Sobre Caroline Salazar:

Jornalista de formação, 40 anos, goiana radicada em São Paulo, idealizou o A Endometriose e Eu em 2010, blog pioneiro em retratar o dia a dia de uma portadora. Hoje é também editora dos textos dos colaboradores, todos voluntários. Faz palestras de conscientização e para que as mulheres sejam diagnosticadas precocemente. Foi pioneira no Brasil em falar abertamente sobre uma consequência pouco conhecida da endometriose: a dispareunia, dor durante a relação sexual. E seu tratamento: a fisioterapia uroginecológica. Como formadora de opinião, transmite sua vivência com a doença e o conhecimento que adquiriu com médicos e cientistas renomados do mundo todo. Em 2012, Caroline Salazar foi homenageada como a “Endo Angel“ pelo Endometriosis Research Center, um dos mais renomados centros especializados na doença nos Estados Unidos.
A linguagem simples, direta e a forma como retrata principalmente as dores e a incompreensão da sociedade com a doença fazem o blog ser um dos mais lidos do mundo. Ela luta pelo reconhecimento da doença como social e por políticas públicas efetivas para milhões de endomulheres brasileiras. Hoje é a principal ativista do Brasil na causa e é capitã brasileira da Million Women March for Endometriosis Brazil, a Marcha Mundial pela Conscientização da Endometriose, a EndoMarcha. A EndoMarcha é uma manifestação em massa nunca realizada por nenhuma outra doença antes, que visa educar, conscientizar a sociedade e pedir o reconhecimento da doença como social e de saúde pública. Mais de 80 países saem às ruas desde 2014 para mostrar que a doença existe e que precisamos de respeito. Em 2012, o A Endometriose e Eu foi eleito o TOP 1 na categoria saúde pessoal, como o blog mais votado do país. Em 2013 recebeu o TOP 3 na mesma categoria.

SERVIÇO:

Audiência Pública para debater sobre o reconhecimento da Endometriose como problema social de saúde pública.

Data: 09 de maio, quinta-feira

Hora: 9h

Local: Plenarinho da Câmara Municipal do Recife

Vereador: Samuel Salazar (PRTB)