Microempresário que ficou uma noite preso em Recife diz que “entrou de gaiato” em história

Renato Panta Batista, o Cafú, foi acusado de participação em episódio de assalto e receptação de produtos roubados da Magazine Luiza em Camaragibe, viu sua imagem exposta na TV e garante que vai em busca de justiça. “Nunca quis nada de ninguém”

Renato Panta Batista, o Cafú. teve sua imagem viralizada nas últimas horas, acusado de participação em receptação de produtos que teriam sido levados da Magazine Luiz de Camaragibe a poucos dias. Por sua história de microempresário no ramo de câmeras e sistemas de segurança em Afogados da Ingazeira, com a Cafú Monitoramento, a dez anos no ramo, muitos desconfiaram e ficaram surpresos com as imagens exibidas na TV Clube.

Renato contou sua versão da história. A entrevista também vai ao ar no programa Manhã Total desta segunda (14) na Rádio Pajeú. “Eu estava em Afogados e Diego me chamou para ir ao Recife”. Ele fala de Diego Marques da Silva, de Tabira, que trabalha com conserto, compra e vendas de aparelhos celulares em Tabira. “Ele não tem habilitação porque compraria um material para ele e eu compraria um outro material do meu ramo para mim também. Na viagem ele foi conversado com uma mulher no OLX”.

Em Recife, marcaram de buscar a mulher em Santo Amaro. Lá, segundo Cafú, a mulher revelou que estava apenas intermediando o negócio porque queria R$ 200 de comissão. Pediu a localização do amigo dela que estava no shopping Guararapes, em Jaboatão. “Eu e Diego ficamos no veículo, ela pegou uma quantia com Diego e pegou a mercadoria com o rapaz.  Disse que no outro dia pegaria a nota e Diego entregaria o restante do dinheiro”. O valor total era de R$ 11.500,00. “A gente foi embora, deixou ela em Santo Amaro, voltamos ao Derby, jantamos e dormimos no apartamento na Boa Vista”. No outro dia foram ao centro. Peguei um Uber e fui resolver minhas coisas”. Segundo ele, por volta das 5 da tarde, se reuniram para ir embora para o apartamento porque a mulher não apareceu com a nota  como combinado. Combinaram de esperar só até a manhã da sexta (11).

“”Pagamos o estacionamento e quando saímos duas viaturas encostaram. Os policiais disseram que já sabiam de tudo e a gente tinha assaltado o Magazine Luiza. Nem estávamos no dia do episódio em Recife. Na Delegacia ficaram pressionando, perguntando da mercadoria, como tínhamos conseguido. Pressionaram Diego para dizer o que ele não sabia, porque também entrou de gaiato. seguraram a gente até o outro dia de manhã sem deixar a gente falar com ninguém. Só quando o advogado chegou que a gente pôde falar com a família”. Disse ainda que o Diego manteve a mesma versão.

Na audiência de custódia, após ida ao IML, foram liberados sob pagamento de fiança. “Só falei a verdade”. Panta diz que um iPhone dele e dinheiro não foram devolvidos.

Quanto às imagens exibidas em uma emissora de TV, diz que vai buscar responsabilizar a exposição das imagens. Renato chegou na sexta por volta da meia noite em Afogados. Relata que tem recebido muitas manifestações de solidariedade. “Mas a cabeça não funcionou direito ainda”, diz um pouco abatido.   Ele diz que pelo WhattsApp, tem recebido muitas mensagens de apoio. “Quem realmente me conhece sabe que eu não sou capaz de nada disso”.

Segundo a polícia, a mulher presa fazendo a venda dos produtos a Diego objetos de furto ou roubo e reincidente foi Cínthia Cibele Soares de Macedo. Os aparelhos fariam parte de um esquema comandado por um assaltante conhecido como “Lacrado”,  porque o suspeito só trabalha com aparelhos com embalagem selada.

 

Nill Junior