Aumento da cota de importação de etanol preocupa deputados

A portaria do Ministério da Economia elevando de 600 milhões para 750 milhões de litros a cota de álcool etílico que pode ser importada pelo Brasil, livre de impostos, recebeu várias críticas em Plenário, nessa segunda. Na avaliação do deputado Antônio Moraes, do PP, a iniciativa deve trazer um prejuízo “enorme” para as economias de Pernambuco e de outros estados nordestinos. O parlamentar diz esperar uma reação dura da bancada pernambucana na Câmara dos Deputados, contra a medida do Governo Federal. “Por que não dá para entender, porque se pelo menos tivessem aumentado a cota de açúcar para exportação, a gente teria uma compensação.”

Para Waldemar Borges, do PSB, não há uma razão econômica por trás da medida do Governo Federal e, sim, um ato de “subserviência” aos Estados Unidos. “O que está pretendendo vir a ser embaixador do Brasil lá, pra trazer esse recado, pra trazer essa decisão, na verdade, o que é pior, de atender ao pleito norte-americano e não ao pleito dos produtores locais, que queriam eliminar essa cota.”

A ação de despejo solicitada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, o Incra, contra o Centro de Formação Paulo Freire, localizado no Assentamento Normandia, em Caruaru, no Agreste Central, repercutiu em Plenário. Doriel Barros, do PT, protestou contra a medida, determinada na semana passada pela vigésima quarta Vara Federal. “Uma decisão que pede, inclusive, que seja desocupado de forma espontânea ou senão será feito o uso da força, o arrombamento, a condução coercitiva, remoção dos bens móveis, e remoção e abate dos animais.” 

Doriel Barros solicitou uma reunião entre deputados e representantes do Incra e do assentamento do MST para discutir a ação de despejo.

A passagem do Seminário Todos por Pernambuco pelo Agreste Central foi registrada por vários deputados, que fizeram um balanço positivo da iniciativa do Governo Estadual. Segundo Tony Gel, do MDB, o evento reuniu um grande público, e permitiu que os deputados apresentassem demandas antigas da região, como a reforma do Aeroporto de Caruaru.

 O deputado Antonio Fernando, do PSC, pediu agilidade da Assembleia na votação do projeto de lei que institui o Serviço de Transporte Público Complementar de Passageiros do Estado. A matéria, de autoria do parlamentar, tramita na Alepe desde agosto. “Está havendo bloqueio da ANTT, Agência Nacional de Transportes, impedindo o trabalho dos profissionais que levam passageiros de um estado para outro. Nós sabemos que há dificuldade, que o ônibus regular não faz esse transporte, e tá impedindo milhares de pessoas de se deslocar de um estado para outro, principalmente na nossa Região do Araripe.” 

O deputado João Paulo, do PCdoB, relatou a situação das famílias de localidades às margens da obra da ferrovia Transnordestina, que terão suas casas demolidas. O parlamentar sugeriu que o Governo Federal garanta a realocação das comunidades no cronograma de investimentos da Transnordestina Logística, responsável pelo empreendimento.

Projetos em favor da causa animal foram anunciados em plenário pelo deputado Romero Albuquerque, do PP. Uma das propostas determina a proibição de coleiras que emitem descargas elétricas, usadas no adestramento de cães.  

A relação entre o número elevado de casos de arboviroses em Pernambuco e a falta de saneamento básico foi abordada em pronunciamento de William Brigido, do Republicanos. O deputado questionou a lentidão das obras da Parceria Público-Privada do Saneamento na Região Metropolitana do Recife. De acordo com o parlamentar, a meta de universalizar o serviço em 2025 está comprometida.

|Rádio Alepe|