Sentimentos bons: o bem que a sociedade precisa

Como sempre faço no início de mais uma semana, pego o computador e começo a construir textos sobre diversos assuntos com o objetivo de alimentar algumas colunas que assino. Conteúdos não faltaram, mas hoje, ao passar o pente fino em portais de notícias e ler sobre o que acorreu em Moçambique, deparei-me deixando de lado tudo o que tinha relacionado para escrever, e decidi fazer algo pequeno, direto e reflexivo.

O número de vítimas da passagem do ciclone Idai por Moçambique, Malauí e Zimbábue aumenta diariamente. Pelos últimos dados, morreram 446 pessoas em Moçambique, 259 no Zimbábue e 56 no Malauí. Para as agências humanitárias, o desastre em Moçambique tem semelhanças com as tragédias humanitárias do Iêmen e da Síria. Autoridades e agências de ajuda temem mais mortes em decorrência do risco de cólera e outras doenças transmitidas pela água contaminada que está em várias áreas do país. A inundação criou um lago de 125 quilômetros de largura, devastando uma área antes ocupada por centenas de milhares de pessoas.

Já aqui no Brasil, há exatamente 12 dias, a data 13 de março de 2019 entrou para a história de Suzano, em São Paulo, como o dia mais triste e violento da cidade devido ao triste massacre na tradicional Escola Estadual Raul Brasil. Dois criminosos invadiram a unidade escolar que atende mais de mil alunos. Armados até os dentes Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Henrique de Castro, de 25 anos, dispararam dezenas de tiros e distribuíram golpes de machado em alunos e funcionários. Além dos dez mortos, mais de 20 pessoas foram atendidas em hospitais da cidade em decorrência do ataque dentro do estabelecimento de ensino, sendo que houve o registro de pessoas que passaram mal quando ficaram sabendo do massacre.

Diariamente nos deparamos com notícias que nos causam comoção, medo, indignação, revolta e tristeza. Aí nos perguntamos: O que fazer? Como agir? Por que está acontecendo isso? Qual a razão de tanto sofrimento?

Digo isto porque estou neste exato momento fazendo esses questionamentos, e em minha mente para combater esses desastres, aparecem essas palavras: Fé, Amor, Respeito, União e Solidariedade. Esses são sentimentos capazes de acabar com as dores, estabelecer o respeito mútuo e nos evoluir cada vez mais para a prática de ações boas. Cultive- os e espalhe-os por onde for. É contagiante! É isso….

Dany Amorim- jornalista, coach e sócia da Espalha Comunicação