Armas não

Arthur Cunha

Por Arthur Cunha
O massacre como o que ocorreu em Suzano (SP), ontem, onde dois jovens mataram dez pessoas sem piedade, trouxe de volta ao debate nacional a questão do porte de arma de fogo. A tragédia fala por si só: é inadmissível que o Governo Federal (via decreto) ou o Congresso Nacional (via voto) permitam a flexibilização,
a não ser em casos extremos. Não tem como defender essa bandeira, sendo você partidário do presidente Jair Bolsonaro ou não.

Nossa sociedade, nossos valores e nossas leis ainda são muito rudimentares para vivermos com tamanha liberação. Para além da questão técnica, ou de ideologia política, a saída continua sendo o diálogo, a conscientização e outros tipos de punição que não as que tenham como base a bala. Armas de fogo são para a Polícia, que é treinada para isso – quem sabe para os trabalhadores rurais, mas isso é uma questão que enseja outro debate.

Entrando na política, o massacre atinge ainda mais a já combalida popularidade do presidente e de seus filhos trapalhões, que defendem, inclusive por decreto, a flexibilização do porte. Se Bolsonaro queria um argumento para abandonar de vez esse debate, agora ele já tem.

Esse cenário piora quando pipocam as notícias da relação da família Bolsonaro com as milícias do Rio de Janeiro. E o que poderia piorar, piorou. Não podemos fazer ilação, é claro. Mas o fato dos executores da ex-vereadora Marielle Franco, morta junto com seu motorista Anderson, morarem no mesmo condomínio onde o presidente tem casa é mais um complicador. A hora, agora, é de desarmar pessoas e discursos. Façamos esse debate.

Água e óleo – Não disse que água e óleo não se misturam? Pois em Caruaru isso está prestes a acontecer com a eventual aliança entre os ex-prefeitos e deputados estaduais José Queiroz e Tony Gel. Os dois grupos políticos devem se juntar para tentar tirar a prefeitura de Raquel Lyra, em 2020. A provável chapa terá Queiroz na cabeça de chapa com Toninho Rodrigues, filho de Gel, na vice. Quem está doido pelo sucesso dessa candidatura é Manoel Jerônimo, suplente de Queiroz na Alepe.Coraçãozinho – É uma celebridade mesmo a delegada-deputada Gleide Angelo. Ontem, em discurso da socialista na tribuna da Alepe, um grupo de alunos na galeria parecia que estava em um show de Anitta. Era menino fazendo foto, menina gritando. Até coraçãozinho fizeram para a parlamentar, que devolveu o gesto abrindo um sorriso. Reza a lenda que ela vai mesmo é concorrer à prefeita, só falta decidir a cidade.

Gestão Cidadã – Surubim será o primeiro município do Projeto Gestão Cidadã da Amupe, uma parceria entre a entidade e a União Europeia, com o objetivo de aplicar metodologia para elaboração de planos municipais com a finalidade de fortalecer a participação e transparência local do município. A partir daí, as 15 cidades (Bezerros, Caruaru, Cumaru, Cupira, Águas Belas, Machados, Quipapá, Calumbi, Carnaíba, Flores, Santa Cruz da Baixa Verde, Solidão, Tabira e Toritama) que fazem parte do projeto também terão seus planos elaborados.

Segurança – A deputada estadual Dulcicleide Amorim se reuniu com o secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, para debater medidas de redução da violência nos municípios de Dormentes, Petrolina e Afrânio. Entre as pautas, a parlamentar solicitou a implantação de plantões nos fins de semana e feriados na Delegacia da Mulher, além da ampliação do policiamento com uma Patrulha Maria da Penha em Petrolina, objetivando reduzir o índice de criminalidade contra a mulher.

Curtas

SALÁRIOS – Em meio à tantas pautas sem pé nem cabeça, o Senado Federal aprovou uma proposta importante, ontem, que prevê multa para o empregador que não pagar o mesmo salário para homens e mulheres na mesma função. A proposição, que altera a CLT, segue para ser avaliada na Câmara dos Deputados.

APROVAÇÃO – As pesquisas de opinião mostram que está acima dos 90% a aprovação do prefeito de Paudalho, Marcelo Gouveia, cuja reeleição está pavimentada. Seu irmão, Gustavo Gouveia, assumiu o mandato recentemente na Assembleia Legislativa e também já desponta como um bom quadro político.

SEGUIR CARREIRA – Apesar da pouca idade, Guilherme Uchoa Neto já mostra que pode seguir carreira na política – ele acompanha o pai, Guilherme Uchoa Júnior, nos eventos. O jovem tem tudo para ser o próximo candidato da família Uchoa quando atingir a idade.

Perguntar não ofende: Você é contra ou favorável à flexibilização do porte de armas de fogo? Respostas no (81) 99198-0838.